drywall-em-áreas-úmidas

Drywall em áreas úmidas

drywall-em-áreas-úmidas

As paredes de gesso já mostraram que são a solução ideal para a construção civil: práticas desde a sua instalação, e com um excelente custo-benefício.  O drywall funciona, inclusive, em áreas que são diariamente expostas à umidade, como o banheiro, a cozinha, a lavanderia e a área de serviço. Ele não apenas pode ser utilizado, como é uma excelente solução para esse tipo de espaço.

É necessário, porém, escolher o tipo certo de chapa. Não basta utilizar as comuns (standard) com impermeabilizante, como muita gente faz para economizar na construção. Em ambientes sujeitos à umidade devem ser aplicadas as placas RU (placas resistentes à umidade), também conhecidas como “chapas verdes”. Elas possuem elementos hidrofugantes, ou seja, que repelem a água.

Mesmo assim, o drywall em áreas úmidas deve passar por um sistema de impermeabilização. As opções incluem as membranas de asfalto elastomérico para aplicação a frio (as chapas de gesso não devem ser submetidas a sistemas para aplicação a quente), membranas acrílicas e cimento polimérico. Depois que é feita a impermeabilização do drywall, a parede está pronta para receber qualquer tipo de acabamento, incluindo pastilha, mármore, granito e cerâmica, entre outros.

Fique atento! As chapas verdes não são à prova d’água, embora apresentem maior resistência à umidade, funcionando também contra respingos de água. Por isso, não é recomendado que elas sejam usadas como forro de piscina ou sauna.

Facilidade na manutenção

Uma das principais vantagens de utilizar o drywall nas áreas molhadas é a facilidade de realizar a manutenção. Quando é preciso realizar algum reparo, as chapas de gesso impermeabilizadas podem receber o conserto com a mesma praticidade que qualquer outra estrutura em drywall.

Primeiro, é feita uma abertura em formato retangular na parede, sempre com a ajuda de um serrote de ponta. O conserto – seja na instalação elétrica ou hidráulica – pode ser concluído de forma rápida, sem nenhuma bagunça dentro de casa. Em seguida, é usado um pedaço de chapa para fechar a abertura, que pode ser o mesmo fragmento retirado da parede. Esse fragmento então é parafusado no local certo, com o auxílio de dois pedaços do perfil estrutural. Para finalizar o trabalho, as juntas da abertura são tratadas com uma massa e a fita apropriadas. Uma vez que a parede já está seca, é só realizar o acabamento.

Com o drywall, você escapa daquele processo chato de ter que quebrar os tijolos e o reboco – fazendo a maior sujeira na casa! – toda vez que precisa realizar um conserto na cozinha ou no banheiro.

Recomendações especiais

Dependendo do ambiente onde serão instaladas as paredes de gesso, é preciso tomar alguns cuidados especiais. O banheiro, por exemplo, é um espaço que requer maior atenção.

Acontece que, além da umidade, em alguns desses locais a presença da água é constante. É o caso das paredes mais próximas ao chuveiro, sempre molhadas, ou dos cômodos onde o chão vai ser lavado. Para garantir a conservação do drywall, a área de encontro entre a placa de gesso e o piso também deve ser impermeabilizada.

Isso pode ser feito com rodapés próprios, que recebem o mesmo tratamento impermeabilizante das paredes e forros em drywall. A aplicação deve começar ainda no piso, entre 15 e 20cm da parede, e subir por ela até alcançar pelo menos 20 cm de altura.

Acabamento em cerâmica com argamassa colante

Mesmo que não estejam localizadas em áreas úmidas, as paredes de gesso que vão receber acabamentos cerâmicos também requerem um cuidado especial.

A cerâmica é assentada com argamassa colante, que deve ser misturada com água. O problema é que essa água logo é absorvida pelas chapas de gesso comum, chamadas de chapas standard. Quando os azulejos são colados, eles acabam se soltando com facilidade da parede. Nesse caso, também é preciso usar as chapas verdes impermeabilizadas.

Ficou com alguma dúvida a respeito do uso das chapas verdes em ambientes úmidos? Escreva pra gente!